sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Loja de Produtos Cruelty Free em São Paulo: Neo Kosmos


Quando estive em São Paulo, conheci a loja "Neo Kosmos - Produtos do Bem". O conceito da loja é vender apenas marcas que não realizam testes em animais. Essa seleção de marcas foi obtida através de listas como a da PEA, e-mails às empresas e blogs como o meu (!). Além disso, os produtos veganos são marcados com um selinho verde.

Há uma grande variedade em cosméticos, produtos de higiene, para bebês etc. No futuro há a previsão de disponibilizar também produtos de limpeza e suplementos.  

Herbia, Phytoervas, Vizcaya, Bioextratus, Est

Higiente bucal: Contente

 Arte dos Aromas, Granado e Feito Brasil

 Pincéis sintéticos e absorventes Natracare

Giovanna Baby e Vizcaya



Vult e Elke
  
Phebo e Granado


Achei muito legal a iniciativa das idealizadoras. Certamente facilita demais a vida de quem busca por produtos cruelty free e veganos. Inveja mega master de quem mora em São Paulo!


Localização: Rua Pamplona, 1375 - São Paulo - SP
Tel: 11.30641721 | 11.30642038 | 11.30642096

Facebook: https://www.facebook.com/Neo-Kosmos-Produtos-do-Bem-701868326517362/



quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Resenha | Shampoo e Condicionador de Lippia Alba da Herbia


Eu já falei bastante sobre a Herbia por aqui, mas para quem não conhece, é uma empresa cruelty free que só produz cosméticos naturais, orgânicos e isentos de ingredientes de origem animal. 

Há pouco tempo as embalagens da linha Lippia Alva foram reformuladas e num futuro próximo será a vez das embalagens da linha Lavanda e Verbena. Achei as embalagens mais bonitas que as anteriores e gostei do fato de os produtos não virem mais em caixas. Senti falta de menções como "produto vegano" ou "não contém ingredientes de origem animal". 


Dessa vez eu testei o shampoo e condicionador da linha Lippia Alba. A linha não contem sulfatos, petrolatos,  parabenos, corantes, nem fragrâncias sintéticas. Ela é composta por 11 óleos essenciais: limão, lavanda híbrida, lemongrass, lemongrass híbrido, citronela, laranja, menta, alecrim, patchouli, pau-rosa e erva-cidreira (Lippia Alba ou Verbena brasileira). Bom, só pela lista riquíssima, é possível prever que eles juntos resultam em uma explosão de fragrâncias e uma aromaterapia intensa! 

Sei muito pouco sobre aromaterapia, mas pelas minhas experiências e conversas com aromaterapeutas, os meus óleos essenciais fazem milagres para mim, tanto como descongestionantes nasais (hortelã e eucalipto no difusor ou em vaporização), como para relaxamento (lavanda em difusores) e tratamento de pele (gotinha de tea tree com óleo de jojoba no rosto). Quanto aos óleos  presentes na lista da linha da Herbia, o óleo essencial de alecrim é conhecido por estimular a circulação do couro cabeludo, que por sua vez, pode fazer o cabelo crescer mais fortalecido e, há quem diga, até mais rápido. Já o óleo de Lippia alba, tem propriedades anti-sépticas, bactericidas e adstringentes.

Além dos OEs, a linha possui extrato de açaí orgânico, extrato de camomila, óleo de castanha do Pará e extrato de Artemísia. No condicionador ainda contém óleos de babaçu e pracaxi, manteigas de cupuaçu, cacau e pantenol.

Durante quase 2 meses eu usei o shampoo e o condicionador, dia sim, dia não.


O shampoo:

O cheiro do shampoo é bastante forte e a fragrância que prevalece é a de erva-cidreira. Eu achei agradável, mas pessoas mais sensíveis podem achar forte demais. No cabelo seco, ainda é possível sentir o perfume, mas um pouco mais suave. 

Ele tem aspecto de gel e quando aplicado no cabelo é um pouco difícil de espalhar, mas a partir da 2ª lavagem dá pra usar a metade da quantidade no cabelo todo. 

Durante a lavagem, o cabelo fica macio e eu aproveito para massagear bastante o couro cabeludo para aproveitar todas as propriedades dos ingredientes. Nessa massagem, o cabelo embaraça um pouco.

O resultado no meu cabelo depois de seco é um couro cabeludo com aparência saudável e um cabelo sedoso com um brilho espelhado.

Ingredientes:



O condicionador:

O perfume não é tão forte como o shampoo e tem cheiro de manteiga vegetal. A consistência é molinha e não muito densa. Ele também é um pouco difícil de ser espalhado no cabelo, já que a sensação é de que o cabelo "suga" todo o produto. Aí eu acabo tendo que aplicar mais do que o necessário. Ah, sabe aquela sensação de cabelo derretendo? Ele não faz isso. 

O meu cabelo é fino, liso e propenso a embolar, além de conter resquícios de química nas pontas. A melhor forma que eu encontrei de desembaraçar meu cabelo, foi usando um pente de dentes largos no chuveiro, assim que eu aplico esse condicionador. Dessa forma, o cabelo desembaraça com facilidade e fica molinho. Se eu for desembaraçar quando saio do banho, é um pouco mais complicado, porque ele não é muito emoliente como um condicionador tradicional e, nesse caso, preciso de um creme de pentear ou leave in.

Depois de seco, o cabelo fica macio, sedoso, maleável e com perfume suave de erva-doce.

Ingredientes:




Minhas considerações:

Eu adorei o shampoo e gostei do condicionador. Talvez na hora do banho a lavagem não seja das mais fáceis e agradáveis, mas a gente acaba acostumando. Os resultados no cabelo depois de seco compensam! O brilho que eu vejo no cabelo é acima do normal. Enquanto o shampoo consegue limpar e retirar a oleosidade sem agredir os fios, o condicionador deixa o cabelo mais macio e hidratado.

Senti também que o meu cabelo clareou um pouco depois que comecei a usar essa linha. Acredito ser devido ao extrato de camomila. Se você possui tintura escura no cabelo, considere que ela pode desbotar.

Entre o perfume da linha lippia alba e da linha de lavanda, fico com o de lavanda, mas é uma preferência pessoal. 

Acredito que essa dupla seja uma opção muito bacana para quem busca por produtos de qualidade isentos de ingredientes agressivos e potencialmente tóxicos. Além disso, eu recomendo para quem não possui ou possui pouca química no cabelo. E, obviamente, a dupla é super adequada para quem faz "low poo".

O preço não é dos mais amigos, mas está na média dos cosméticos naturais e orgânicos. O shampoo e o condicionador custam R$39,90 cada na nova loja virtual da Herbia: lohas store.



Cabelo brilhando! *-*


Obs: A assessoria da Herbia me enviou o conjunto para teste. A resenha foi feita baseada na minha opinião sincera e o resultado no meu cabelo. O resultado pode variar de acordo com o tipo de cabelo de cada um. Em certos cabelos a transição de cosméticos convencionais para naturais pode levar um certo tempo para adaptação, por isso é preciso um pouco de paciência. Mas depois do período de adaptação, os resultados são visíveis.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Perfume Vanillary da Lush



Já tem uns anos que eu não compro um perfume devido à dificuldade de se encontrar perfumes veganos que eu gosto e que possuem longa duração na pele. A maioria dos que eu gostava não duravam muito na pele ou quando achava um que durava, descobria que a marca testava em animais na China. (Veja a lista de perfumes veganos aqui.)

Com o Vanillary, a história é outra. Eu já tinha comprado uma amostra pequena através da loja da Lush da Inglaterra (enviam para o Brasil!) e até cheguei a mostrar a foto e comentar no Instagram que eu queria muito comprar o perfume em tamanho grande. Daí quando fui à loja da Lush em SP, tive certeza de que iria levar o Vanillary. 

Na minha opinião, ele é o meu preferido entre os outros da Lush. Tudo bem que eu sou fã de baunilha e prefiro perfumes mais docinhos e simples, mas tirando um ou outro, nenhum deles me chamou a atenção como o Vanillary.

O Vanillary é um perfume simples, "confortável" e claramente se percebe que a baunilha é predominante. Mas talvez por possuir óleo essencial natural de baunilha, a fragrância de baunilha passa longe dessas sintéticas enjoativas que vemos por aí. Além dela, é possível notar o tonka bean e o jasmim. Pra mim Tonka Bean + Vanilla = amor. Não gosto muito de jasmim puro, mas nesse perfume ele dá um toque de sexy. Acredito que o jasmim é também o responsável por não deixar o perfume tão infantil. Na verdade, eu até acho que ele é um perfume voltado para quem gosta de baunilha, mas que não seja dessas baunilhas de comer.

Ele não é um perfume totalmente natural porque contém fragrâncias sintéticas, mas possui óleos essenciais e extratos naturais de baunilha, jasmim e cumaru (tonka bean). E vale lembrar que a baunilha é obtida através de comércio Fair Trade - justo e sem exploração humana, nem ambiental.

Acho que é um perfume muito versátil, dá pra usar tanto no dia a dia quanto de noite, calor ou frio e até em escritório, contanto que não exagere, dá pra usar, porque não é invasivo. A duração na minha pele é fantástica (mais de 6 horas fácil). Às vezes eu uso à noite, durmo, acordo e ainda sinto o perfume em mim. 

Esse tem 30 ml, mas tem versão dele em embalagem de 10 ml e como perfume sólido, mas o sólido tem a duração do perfume na pele reduzida. O perfume de 30 ml custou R$196 e acho que o de 10 ml custa R$75. O sólido eu não lembro quanto é! Mas entre os perfumes da linha Gorilla, o Vanillary é o mais caro.

Ingredientes: DRF Alcohol, Perfume, Fair Trade Vanilla Absolute, Jasmine Absolute, Tonka Absolute, Hydroxycitronellal, Lilial, *Coumarin,*Benzyl Cinnamate.
*occurs naturally in essential oils.

None of these ingredients have been tested on animals, nor did we buy any from anyone that tested anything else on animals.

"Nenhum desses ingredientes foi testado em animais, nem compramos de alguém que teste."

Além do perfume, há mais 2 produtos com a mesma fragrância: Loção hidratante Vanilla Dee-Lite, Pó corporal Vanilla Puff. Esse último eu acabei comprando para testar. O hidratante eu já tinha comprado no passado e como não estava precisando de hidratante, achei melhor deixar pro inverno que vem (ele tem o cheiro bem forte e é um pouco oleoso demais pro meu gosto).



Este é um pó corporal perfumado e serve para absorver a oleosidade da pele. Quem tem big tits sabe como no calor suamos nessa região! hahaha grotesco, eu sei. Além disso ele pode ser usado como shampoo seco (disfarça a oleosidade do couro cabeludo), como polvilho para pés para evitar o suor excessivo e o mau cheiro.

Eu gostei do aspecto do pó bem fininho, mas acredito que só o amido de milho já resolva esse problema de suor sozinho. Além disso ele contém talco e algumas pessoas podem preferir evitar.

Ele deixa um perfume gostosinho na pele, idêntico ao Vanillary, mas a duração não é tão boa, dura bem pouco. 

A embalagem vem 50 g e custou R$36.

domingo, 21 de setembro de 2014

Dicas de como lidar com os desafios de ser vegano

Ser vegano é desafiar a sociedade. Somos ensinados desde criança que precisamos dos animais para nos alimentarmos e que os animais são criados pra isso mesmo, que não tem problema em explorá-los. É unanimidade entre os brasileiros de que a melhor forma de comemorar datas importantes é em um churrasco. Todo mundo ama carne. E todas as nossas boas lembranças com a família são de reuniões com refeições cujo prato principal é a carne. Somos bombardeados com propagandas de frigoríficos, laticínios e empresas multinacionais de cosméticos testados em animais. Todas tentando nos convencer - e para isso usam estratégias de marketing impecáveis - de que o que vem dos animais faz bem e que os animais não sofrem em nenhuma etapa de produção daquilo que estão tentando nos vender.

As propagandas seguem um padrão: ou mostram animais felizes em fazendinhas bucólicas ou mostram situações felizes e inocentes, como jantar na casa da vó, mãe preparando o jantar (sempre com quele toque machista - a cozinha é da mulher), criancinhas fofas comendo algo e fazendo gracinhas ou reunião de amigos. Tudo isso para tornar natural e inocente o ato de explorar e brutalizar animais, afinal se aquela vovozinha gente boa está fazendo um frango assado, não deve ter mesmo problemas em consumir produtos animais!


Qualquer tentativa de quebrar esse padrão de comportamento vai ser visto como anormal, estranho, excêntrico e rebelde. Vão te olhar com cara feia cada vez que disser que não come carne e ovos nem bebe leite por respeito aos animais. Para a maioria das pessoas, é um incômodo muito grande ouvir que alguém é vegano pelos animais. Tentar mexer no prato dessas pessoas é como tentar tirar osso da boca de cachorro.

É preciso coragem para remar contra a maré. Confesso que se tornar vegano não é fácil. Mas sair do papel de explorador nunca é fácil. Poucas pessoas estão dispostas a sair da zona de conforto por causa de animais. Pesquise sobre quanta resistência houve durante o período de abolição da escravidão humana no mundo todo e tente transferir essa oposição vezes 10 para a abolição da escravidão animal.

O lado bom nessa história é que você não está sozinha/o. O relatório do Google Trends revela que o interesse e a curiosidade pelo veganismo aumentaram significativamente entre 2004 e 2013. Só na Alemanha o veganismo cresceu 800% em 3 anos.




Pensando nessas adversidades e nas dificuldades que todos nós veganos passamos ou iremos passar em determinadas situações, darei algumas dicas que podem ajudar quem está entrando nessa nova jornada. É claro que depois que nos adaptamos, fica tudo mais fácil. Não sou a dona da verdade e talvez eu não tenha as melhores dicas, mas meus 14 anos como vegetariana e 8 como vegana já me renderam boas experiências.

A ideia é conseguir fazer um guia para iniciantes que aborde as questões: 1. Como lidar com família não-vegetariana; 2. Lidando com piadinhas carnistas; 3. Almoçando fora de casa; 4. Veganismo em viagens; 5. Parceiro/a não é adepto/a do veganismo; 6. Como evitar as deficiências nutricionais. 

Hoje o post aborda os 2 primeiros itens.

1. Lidando com mãe e pai não-vegetarianos


Tell Your Parents You Want to Be a Vegan or Vegetarian Step 7.jpg


- Seus pais não abrem mão das carnes e derivados animais e você depende deles financeiramente?

A primeira coisa a ser feita é ter uma conversa aberta sobre quais foram as suas motivações e porque se tornar vegano/vegetariano é tão importante para você. Depois que eles conseguiram entender o seu ponto, tente reunir artigos científicos sobre nutrição, palestras de nutricionistas e livros que mostrem a viabilidade da dieta vegana para que se desmitifique qualquer ideia de que veganos terão deficiências nutricionais. Sabemos que é perfeitamente possível suprir todos os nutrientes que precisamos tendo uma dieta livre de animais, mas seus pais muitas vezes querem comprovar que esse fato procede através de profissionais. Se puder levá-los a algum nutricionista/nutrólogo, melhor. Neste post eu tentei incluir todos os links e artigos interessantes sobre a alimentação vegana: http://belezavegan.blogspot.com.br/p/links-uteis-sobre-nutricao.html

Obs: sou extremamente sortuda de ter conseguido convencer meus pais a se tornarem vegetarianos e foi numa dessas conversas sobre nutrição que eles perceberam que carne não era necessário e que poderiam ser saudáveis sem carne.

- Como adequar seu almoço/jantar com o servido pela família?

Talvez o almoço servido na sua casa contenha apenas arroz e salada livres de qualquer ingrediente animal. Existe a possibilidade do feijão conter bacon ou caldo de carne, do purê de batata conter leite ou manteiga e do macarrão conter ovos na massa. Por isso, tente negociar. Se antes eles gastavam dinheiro no supermercado comprando carnes para você, peça para transferir essa quantia para carnes vegetais, grãos, hambúrgueres veganos etc; trocar leite de vaca pelo de soja; a massa com ovos por uma grano duro; os queijos pelo tofu; produtos de higiene testados em animais por produtos que não são testados; e incluir mais legumes e frutas para você. Se reclamarem que a compra ficou mais cara, invista menos em industrializados e procure comer mais legumes, grãos, cereais, verduras e frutas, além de tentar fazer você mesmo receitas em casa. Dessa forma, a compra vai ficar até mais barata. É só pesquisar o preço do kg de picanha para ver que dá pra comprar muitas coisas com o dinheiro que se gastaria com ela.


- E o que comer quando fazem churrasco/feijoada?

Antigamente eu acabava comendo arroz com vinagrete, mas você pode ser mais inteligente que eu e fazer a sua própria comida. Sim, veganos precisam aprender a cozinhar se não quiserem passar fome. Além disso, na minha opinião, não é nada interessante para o veganismo mostrar que somos "ETs", comendo alface com arroz enquanto todos se divertem comendo churrasco. Vai todo mundo achar que veganos comem arroz com alface todos os dias. É importante sermos exemplos positivos do veganismo. Não acho que devemos agir de forma a afastar as pessoas. E cá entre nós, comer arroz com vinagrete enquanto todos enchem a pança com churrasco não é uma boa forma de atrair as pessoas para o veganismo, muito pelo contrário. Se for pra fazer papel de bobo na frente de todo mundo, o melhor é não ir. Essa é a minha opinião!

Portanto, a não ser que seus pais cozinhem comidas veganas exclusivamente para você, o melhor é ir pra cozinha e fazer sua própria comida. Uma alternativa é negociar: pedir para fazer o seu feijão separado e não colocar manteiga e bacon na farinha, por exemplo.
Mais dicas de "churrascos" sem carne: http://belezavegan.blogspot.com.br/2013/08/fui-convidada-para-um-churrasco-e-agora.html

Receitas veganas:
http://www.cantinhovegetariano.com.br/
http://presuntovegetariano.com.br/receitas/
http://chubbyvegan.net/blog/
http://www.menuvegano.com.br/

2. Lidando com piadinhas carnistas 




- Você adora seus amigos, mas como ouvir calado alguém dizer (ou escrever) "bacon" quando vê um vídeo de porquinho? Como reagir quando alguém te provoca?

Se os seus amigos/familiares realmente forem amigos, eles irão compreender o motivo da sua escolha. No início é normal fazerem piadas infames com o motivo do seu veganismo. Fazer piadas com o sofrimento alheio não é nada legal, portanto é preciso mostrar seu ponto de vista. Se as piadas persistirem e de forma mais veemente, vale a pena rebater com argumentos válidos ou até devolver a piada de forma irônica. Discutir veganismo é tão polêmico quanto discutir religião e política, mas é algo que precisa ser feito e de forma saudável! Dependendo da pessoa, há grandes chances da discussão partir para uma briga. Por isso, pense se vale a pena discutir com essa pessoa e caso decida que sim, pense em bons argumentos antes de entrar em discussões. Treine antes como rebater argumentos de carnistas desonestos para você não correr o risco de ficar sem resposta. É super fácil guardar as respostas de cabeça, afinal os argumentos dos anti-veganos são sempre os mesmos ("plantas sentem dor", "se o leão faz por que eu não posso fazer?", "e as proteínas?" blablablá). Eu acho super divertido ver um anti-vegano se achando no início da conversa e 5 min depois ficando nervosinho por não saber o que responder num debate por um vegano. Mas essa questão é muito pessoal e depende da sua personalidade. Tem gente que prefere não discutir com ninguém.

Se perceber que a pessoa não está entendendo o seu ponto ou está sendo desonesta, só querendo mesmo te zoar e ganhar a discussão, o melhor é não discutir, ou discutir de forma menos agressiva e mais descontraída, se é que isso pode ser possível. Chega uma hora que a discussão pode ficar extremamente desagradável, com clima pesado e nesse caso, render discussão é pura perda de tempo.

Dicas de respostas prontas para os questionamentos que quase todo vegano já ouviu: http://belezavegan.blogspot.com.br/p/blog-page_5.html

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Roliçando em São Paulo - parte 2

Aproveitei que eu tive que ir para São Paulo por alguns dias e fui a alguns estabelecimentos que ofereciam comidinhas veganas para postar aqui, continuando com a sequência de ogrices desse post.

Fico muito feliz que as opções veganas estejam crescendo a cada dia! Por outro lado, eu fico afobada querendo comer tudo sem limites. Fazer orgia gastronômica vegana é muito divertido, mas sempre acabo engordando uns 3 kg em menos de 1 semana!

Esses foram alguns dos lugares que eu fui e recomendo para quem estiver em São Paulo.


1. Barão Natural Pizza Bar



Durante o dia o restaurante tem refeições normais, com buffett livre e nas noites de sextas e sábados é uma pizzaria vegetariana, com várias opções veganas. O lugar é grande, tem capacidade para mesas com muitas pessoas, tem forno a lenha e no dia que eu fui estava cheio.

Pedi uma porção de crostinis maravilhosos e uma pizza vegana metade sabor "frango" falso com catupisoy/ metade "calabresa". A pizza é a melhor que eu já experimentei! Nota 10 para tudo: crosta, recheio, estava no ponto. Custou cerca de 35 reais com 8 pedaços.

Para acompanhar, havia opção de vários drinks deliciosos com ou sem álcool feitos com sucos de frutas, refrigerantes e cervejas geladas.

Às sextas e sábados a partir das 18 até às 23:00 h funciona a noite das pizzas.

Endereço: Rua Alameda Barão de Limeira, 1090 Centro - São Paulo


2. Padaria Lilóri


A padaria tem pegada light/saudável e foi inaugurada recentemente. Ela conta com algumas opções veganas. Nada possui leite, glúten e nenhum tipo de carne. O único ingrediente de origem animal usado é o ovo. Quando algum item não possui ovo, tem a menção por um "O" cortado no cardápio. O "B" significa que foi feito com biomassa de banana verde.

Os preços não são muito convidativos, mas achei tudo de boa qualidade e muito saudável.

Endereço: Rua Peixoto Gomide, 1486 Jardins - São Paulo


 
Sucos detox deliciosos e pães "mineirinho"

Brigadeiro (minúsculo :/ mas delícia) e chocolate quente feito com leite de amêndoas.


3. Maoz Vegetarian


Ironicamente localizada ao lado do Bovinus, a Maoz é uma franquia internacional vegetariana que foi inaugurada há pouco tempo em São Paulo. Ele funciona no esquema de fast food árabe com buffet livre de salada e itens para literalmente encher o pão sírio com bolinhos de falafel frito com tudo o que se tem direito: cenoura, brócolis, picles, abobrinha, beterraba, molho de tahine, molho de salsa e hummus. Somente o molho holandês e o repolho com maionese não são veganos. Como acompanhamento, tem batata doce frita e assada com sucos do dia, refrigerantes ou cervejas.

Eu não tirei muitas fotos porque eu só tive a ideia de tirar foto depois de pensar no quanto eu achei tudo maravilhosamente gostoso e lá estava muito cheio quando fui, não tive como tirar foto do buffet. Recomendo essas fotos da resenha que o Rota Veg fez.

Endereço: Rua Augusta, 1523 Consolação - São Paulo

Sanduíche (Página do Facebook) e batata doce frita

4. Mate Por Favor



É uma lanchonete localizada na galeria Village. Além do famoso mate e do suco de açaí, possui várias opções veganas, como salgados e doces.

Os bolos sabor trufado e prestígio são veganos e sensacionais! Acho que custam 4 ou 5 reais.

Endereço: Rua Augusta, 1492



5. Super Natural Orgânicos & Naturais


De um lado, funciona um supermercado com produtos orgânicos, como grãos, frutas, legumes chocolates, congelados, pães etc. Do outro lado, é possível comer um sanduíche ou um salgado vegano, natural e feito com ingredientes orgânicos.

Endereço: Rua Augusta, 2992



Sanduíche de pão integral, pasta de tofu, cenoura e pepino


6. Sorveteria Soroko



É uma sorveteria tradicional que possui cerca de 7 sabores de sorvetes veganos, como chocolate chip, menta com pedaços de chocolate, coco, banana, cupuaçu e paçoca. Eles estão localizados no primeiro freezer e são indicados com um "vezinho" na frente dos nomes. A calda de chocolate amargo não possui leite.

Obs: não aceitam cartão.

Endereço: Rua Augusta, 305




Lugar que ficou para a próxima vez:

- Hot Dog Augusta

Endereço: Rua Augusta, 1492


Alguém já foi em alguns desses lugares? O que achou?

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Receita DIY: Esfoliante de lábios de chocolate e baunilha



A Lush possui alguns "lip scrubs" veganos com cheirinhos deliciooosos, mas o preço me desanima de comprar (~R$40). Como os ingredientes são fáceis de encontrar, pensei que daria para fazer o próprio esfoliante de lábios caseiro, sem abrir mão do cheirinho (e gosto) delícia, além de ser divertido fazer o próprio esfoliante. Dá para fazer uma versão para o "Bubblegum", usando flavorizante de morango/tutti-frutti e corante rosa, mas em um primeiro momento vou mostrar o de chocolate e baunilha, que na minha opinião é mais fácil de fazer e uma delícia! 

Ingredientes:

- 1 colher de sopa de açúcar (confeiteiro, refinado ou mascavo. O cristal é muito grande). Se gostar dele mais sequinho, pode colocar mais açúcar.
- 1/2 colher de chá de cacau em pó
- 1 colher de chá de óleo de jojoba. Pode ser o óleo de coco também.
- 1/2 colher de sopa de extrato de baunilha (eu faço o meu próprio extrato com fava de baunilha. Receita aqui)
- 1 gota de óleo essencial de hortelã-pimenta, se quiser um toque de menta (opcional, mas fica maravi)

Meu extrato de baunilha caseiro! <3



Modo de fazer:

Misturar todos os ingredientes, dissolvendo o açúcar e o cacau no óleo e guardar em um potinho com tampa. Se quiser que dure por mais tempo, conservar em geladeira. Se possuir vitamina E e óleo de semente de uva, pode acrescentar uma gota/cápsula para ser usada como conservante/antioxidante e não precisa guardar na geladeira.

Para aplicar basta massagear o dedo com movimentos suaves nos lábios e depois enxaguar. Usar quando achar necessário. Eu uso dia sim, dia não. E em seguida não esqueça de usar um balm para hidratar. Minhas sugestões: lip balm da Surya, Crazy Rumors, Granado, Cativa Natureza (sem cor), manteiga de karité pura e Hurraw!.


Chocolate and vanilla swirl swirl!