domingo, 21 de setembro de 2014

Dicas de como lidar com os desafios de ser vegano

Ser vegano é desafiar a sociedade. Somos ensinados desde criança que precisamos dos animais para nos alimentarmos e que os animais são criados pra isso mesmo, que não tem problema em explorá-los. É unanimidade entre os brasileiros de que a melhor forma de comemorar datas importantes é em um churrasco. Todo mundo ama carne. E todas as nossas boas lembranças com a família são de reuniões com refeições cujo prato principal é a carne. Somos bombardeados com propagandas de frigoríficos, laticínios e empresas multinacionais de cosméticos testados em animais. Todas tentando nos convencer - e para isso usam estratégias de marketing impecáveis - de que o que vem dos animais faz bem e que os animais não sofrem em nenhuma etapa de produção daquilo que estão tentando nos vender.

As propagandas seguem um padrão: ou mostram animais felizes em fazendinhas bucólicas ou mostram situações felizes e inocentes, como jantar na casa da vó, mãe preparando o jantar (sempre com quele toque machista - a cozinha é da mulher), criancinhas fofas comendo algo e fazendo gracinhas ou reunião de amigos. Tudo isso para tornar natural e inocente o ato de explorar e brutalizar animais, afinal se aquela vovozinha gente boa está fazendo um frango assado, não deve ter mesmo problemas em consumir produtos animais!


Qualquer tentativa de quebrar esse padrão de comportamento vai ser visto como anormal, estranho, excêntrico e rebelde. Vão te olhar com cara feia cada vez que disser que não come carne e ovos nem bebe leite por respeito aos animais. Para a maioria das pessoas, é um incômodo muito grande ouvir que alguém é vegano pelos animais. Tentar mexer no prato dessas pessoas é como tentar tirar osso da boca de cachorro.

É preciso coragem para remar contra a maré. Confesso que se tornar vegano não é fácil. Mas sair do papel de explorador nunca é fácil. Poucas pessoas estão dispostas a sair da zona de conforto por causa de animais. Pesquise sobre quanta resistência houve durante o período de abolição da escravidão humana no mundo todo e tente transferir essa oposição vezes 10 para a abolição da escravidão animal.

O lado bom nessa história é que você não está sozinha/o. O relatório do Google Trends revela que o interesse e a curiosidade pelo veganismo aumentaram significativamente entre 2004 e 2013. Só na Alemanha o veganismo cresceu 800% em 3 anos.




Pensando nessas adversidades e nas dificuldades que todos nós veganos passamos ou iremos passar em determinadas situações, darei algumas dicas que podem ajudar quem está entrando nessa nova jornada. É claro que depois que nos adaptamos, fica tudo mais fácil. Não sou a dona da verdade e talvez eu não tenha as melhores dicas, mas meus 14 anos como vegetariana e 8 como vegana já me renderam boas experiências.

A ideia é conseguir fazer um guia para iniciantes que aborde as questões: 1. Como lidar com família não-vegetariana; 2. Lidando com piadinhas carnistas; 3. Almoçando fora de casa; 4. Veganismo em viagens; 5. Parceiro/a não é adepto/a do veganismo; 6. Como evitar as deficiências nutricionais. 

Hoje o post aborda os 2 primeiros itens.

1. Lidando com mãe e pai não-vegetarianos


Tell Your Parents You Want to Be a Vegan or Vegetarian Step 7.jpg


- Seus pais não abrem mão das carnes e derivados animais e você depende deles financeiramente?

A primeira coisa a ser feita é ter uma conversa aberta sobre quais foram as suas motivações e porque se tornar vegano/vegetariano é tão importante para você. Depois que eles conseguiram entender o seu ponto, tente reunir artigos científicos sobre nutrição, palestras de nutricionistas e livros que mostrem a viabilidade da dieta vegana para que se desmitifique qualquer ideia de que veganos terão deficiências nutricionais. Sabemos que é perfeitamente possível suprir todos os nutrientes que precisamos tendo uma dieta livre de animais, mas seus pais muitas vezes querem comprovar que esse fato procede através de profissionais. Se puder levá-los a algum nutricionista/nutrólogo, melhor. Neste post eu tentei incluir todos os links e artigos interessantes sobre a alimentação vegana: http://belezavegan.blogspot.com.br/p/links-uteis-sobre-nutricao.html

Obs: sou extremamente sortuda de ter conseguido convencer meus pais a se tornarem vegetarianos e foi numa dessas conversas sobre nutrição que eles perceberam que carne não era necessário e que poderiam ser saudáveis sem carne.

- Como adequar seu almoço/jantar com o servido pela família?

Talvez o almoço servido na sua casa contenha apenas arroz e salada livres de qualquer ingrediente animal. Existe a possibilidade do feijão conter bacon ou caldo de carne, do purê de batata conter leite ou manteiga e do macarrão conter ovos na massa. Por isso, tente negociar. Se antes eles gastavam dinheiro no supermercado comprando carnes para você, peça para transferir essa quantia para carnes vegetais, grãos, hambúrgueres veganos etc; trocar leite de vaca pelo de soja; a massa com ovos por uma grano duro; os queijos pelo tofu; produtos de higiene testados em animais por produtos que não são testados; e incluir mais legumes e frutas para você. Se reclamarem que a compra ficou mais cara, invista menos em industrializados e procure comer mais legumes, grãos, cereais, verduras e frutas, além de tentar fazer você mesmo receitas em casa. Dessa forma, a compra vai ficar até mais barata. É só pesquisar o preço do kg de picanha para ver que dá pra comprar muitas coisas com o dinheiro que se gastaria com ela.


- E o que comer quando fazem churrasco/feijoada?

Antigamente eu acabava comendo arroz com vinagrete, mas você pode ser mais inteligente que eu e fazer a sua própria comida. Sim, veganos precisam aprender a cozinhar se não quiserem passar fome. Além disso, na minha opinião, não é nada interessante para o veganismo mostrar que somos "ETs", comendo alface com arroz enquanto todos se divertem comendo churrasco. Vai todo mundo achar que veganos comem arroz com alface todos os dias. É importante sermos exemplos positivos do veganismo. Não acho que devemos agir de forma a afastar as pessoas. E cá entre nós, comer arroz com vinagrete enquanto todos enchem a pança com churrasco não é uma boa forma de atrair as pessoas para o veganismo, muito pelo contrário. Se for pra fazer papel de bobo na frente de todo mundo, o melhor é não ir. Essa é a minha opinião!

Portanto, a não ser que seus pais cozinhem comidas veganas exclusivamente para você, o melhor é ir pra cozinha e fazer sua própria comida. Uma alternativa é negociar: pedir para fazer o seu feijão separado e não colocar manteiga e bacon na farinha, por exemplo.
Mais dicas de "churrascos" sem carne: http://belezavegan.blogspot.com.br/2013/08/fui-convidada-para-um-churrasco-e-agora.html

Receitas veganas:
http://www.cantinhovegetariano.com.br/
http://presuntovegetariano.com.br/receitas/
http://chubbyvegan.net/blog/
http://www.menuvegano.com.br/

2. Lidando com piadinhas carnistas 




- Você adora seus amigos, mas como ouvir calado alguém dizer (ou escrever) "bacon" quando vê um vídeo de porquinho? Como reagir quando alguém te provoca?

Se os seus amigos/familiares realmente forem amigos, eles irão compreender o motivo da sua escolha. No início é normal fazerem piadas infames com o motivo do seu veganismo. Fazer piadas com o sofrimento alheio não é nada legal, portanto é preciso mostrar seu ponto de vista. Se as piadas persistirem e de forma mais veemente, vale a pena rebater com argumentos válidos ou até devolver a piada de forma irônica. Discutir veganismo é tão polêmico quanto discutir religião e política, mas é algo que precisa ser feito e de forma saudável! Dependendo da pessoa, há grandes chances da discussão partir para uma briga. Por isso, pense se vale a pena discutir com essa pessoa e caso decida que sim, pense em bons argumentos antes de entrar em discussões. Treine antes como rebater argumentos de carnistas desonestos para você não correr o risco de ficar sem resposta. É super fácil guardar as respostas de cabeça, afinal os argumentos dos anti-veganos são sempre os mesmos ("plantas sentem dor", "se o leão faz por que eu não posso fazer?", "e as proteínas?" blablablá). Eu acho super divertido ver um anti-vegano se achando no início da conversa e 5 min depois ficando nervosinho por não saber o que responder num debate por um vegano. Mas essa questão é muito pessoal e depende da sua personalidade. Tem gente que prefere não discutir com ninguém.

Se perceber que a pessoa não está entendendo o seu ponto ou está sendo desonesta, só querendo mesmo te zoar e ganhar a discussão, o melhor é não discutir, ou discutir de forma menos agressiva e mais descontraída, se é que isso pode ser possível. Chega uma hora que a discussão pode ficar extremamente desagradável, com clima pesado e nesse caso, render discussão é pura perda de tempo.

Dicas de respostas prontas para os questionamentos que quase todo vegano já ouviu: http://belezavegan.blogspot.com.br/p/blog-page_5.html

7 comentários:

  1. Oi, Eliana!
    Primeiramente, estou imensamente agradecida por voce ter feito esse texto conforme eu havia solicitado. Obrigada mesmo!
    Tu mencionou um ponto em que eu tive o desprazer de passar! Na verdade, varios.
    Como nao sou Cristã, e o restante da minha família sim, geralmente as conversas que tenho com meu pai acabam se tornando brigas. Eu tento ao maximo ser educada, mas ele nao colabora, portanto resolvi que nao vale a pena conversar com ele.
    Quanto ao veganismo, certo dia ele disse que nao havia problema em comer carne, pois nao fui eu que matei. Perguntei a ele se em uma situação hipotética eu pagasse alguem para matar alguem isso me tornaria menos assassina. Ele disse que nao se trata da mesma coisa. Seres humanos e animais sao diferentes, pois segundo ele, somos racionais. Como deu para constar ele ja desviou o assunto, entao perguntei se havia algum problema em pagar alguem para matar a Isadora (minha irma bebe) ja que ela tinha a mesma racionalidade desses chimpanzés testados em produtos de beleza, e que assim como os animais, nao tinha consciência do que era vida, mas estava propensa a sentir dor. Ele disse para eu parar de falar besteira (ele e minha mae sempre falam isso quando nao possuem mais o que dizer). E o pior de tudo... no final das contas sempre sou a intolerante, revoltada, louca. Ja cheguei ate a chorar por conta disso.
    Minha mae provou a carne de soja e gostou. Eu espero que isso ajude, e que ela nao compre mais carne, ja que ela fez uma relatividade e demonstrou preferencia pela soja.
    No dia que a pizza de atum chegou aqui em casa, meu primo ficou me provocando, mas eu novamente nao falei nada. Nao vale a pena! Depois eles saem propagando por ai, que eu me acho dona da verdade, que quero impor as coisas la em casa...
    Ah, e claro, sou fresca por ser diferente deles

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Lidar com a sociedade ao nosso redor eh a parte mais difícil em ser vegetariano/vegano. Toda e qualquer refeição q a gente vá fazer fora de casa pode ter certeza q a maioria dos pratos contém ingredinetes de origem animal. Eu experimentei o veganismo umas duas semanas, mas achei radical de mais e só consegui ver um milhão de coisas q eu não poderia mais comer :/
    Meu marido eh super mente fechada com relação a isso, nele as estratégias de marketing fizeram um ótimo trabalho. Ele sabe de toda a podridão por trás dessa indústria, mas não está nem aí. Ele pensa q sem alimentos de origem animal nao da pra viver.
    Em fim...eh todo um contexto q só nos desestimula a continuar tentando. E além dessa parte social, tem a parte financeira: aqui na minha cidade enontro de tudo para veganos (super bacana), porém eh tudo mto mais caro :(
    E daí vem os gostos: eu achei tofu tão ruinzinho :( tem um gosto de soja com água :s
    Não sei se eu consigo aderir ao veganismo :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Adorei esse post Eliana!
    É exatamente o que eu faço em algumas situações. Pra ir em um churrasco e comer arroz com vinagrete, eu não vou! Eu vou pra mostrar que posso ser muito feliz sem matar ninguém! Eu levo meus espetinhos e ocupo a grelha toda. Tem gente que fica zuando, mas a maioria fica curiosa, prova e gosta!
    Comer arroz e salada na frente dessas pessoas não ajuda a convidá-los pro veganismo. Prova disso foi um casamento que eu fui como recepcionista. Meus pais trabalham com evento (som, luz e imagem), e a minha mãe é braço direito do dono do buffet. Então eu sempre sou a primeira a chegar e a última a sair porque ajudo os meus pais. E quando todo mundo lanchou e eu comi batata rufles, minha mãe achou que eu estava morrendo de fome (mas não estava, eu fiz um café da manhã bem reforçado com vitamina e tudo que tinha direito), mas quando o buffet chegou, ela pediu pra fazerem um pratinho pra mim.
    O que eu comi? Arroz e alface! E o pior, a cozinheira que levou a pratinho pra mim, perguntou: nem uma pastinha de bacalhau? Você não come nem franguinho? E a cada resposta minha ela fazia gestos e caras como quem diz "ai ai só me faltava essa, essa é nova!". Eu não discuti com ela alí, não valia a pena. Até porque, ela que vai ficar na cozinha no meu aniversário, e eu vou entupir ela de coisa gostosa! Quero ver ela reclamar outra vez do meu prato u_u hahahaha
    Enfim, eu sempre converso com os meus pais, faço coisas gostosas, e pelo menos com a família está sendo mais fácil de lidar.
    Beijos!

    Ps: Fiquei chateada com a Impala porque mentiram pra mim no sac, mas enfim, vida que segue!
    http://simsouvegana.blogspot.com.br/2014/09/decepcionada.html

    ResponderExcluir
  4. Poxa, eu acho que a maior dificuldade em ser vegano é conseguir dormir tranquilo sabendo de toda a merda que tá acontecendo lá fora e a gente aqui, de mãos atadas :/

    Lidar com gente estúpida é que vem em segundo lugar. Acho muito triste como essas piadas ou provocações são tratadas como banais pra quem faz, por mais que seja o assunto mais importante do mundo pra quem ouve.

    Muitas vezes as pessoas são realmente ofensivas, não sei se porque não entendem ou porque não se importam (prefiro acreditar que não entendam), e a minha vontade é de ser agressiva, gritar e quebrar coisas. Mas não consigo, eu não sei ser assim, sou muito trouxa... então, engulo tudo e fico triste.

    É incrível também a inversão de valores... se você se recusar a comer tal coisa justificando que precisa emagrecer um pouco, que tá chegando uma festa, o verão, o carnaval, ou as calças não estão servindo bem, sem problemas. Agora, diz que você é ideologicamente contra o consumo dessa tal coisa... você é ridicularizado e vira alvo de deboches.

    Tenho tendido a ser "velha rabugenta", porque não vejo graça nas coisas, é tudo preconceituoso pra caralho. Se humor é você se sentir bem porque tem alguém se ferrando, sério, então sou mal-humorada com orgulho. Cadê as piadas feitas a partir de tiradas inteligentes, referências inusitadas, humor inocente, ou incoerências muito grandes? Não tem. Tem Panicat tendo que lamber a axila de um homem obeso depois dele ter ficado horas dentro de uma fantasia super quente, num dia quente (fatos verídicos).

    :/

    ResponderExcluir
  5. Como as meninas comentaram lá em cima! No meu caso o pior é morar com minha mãe e irmã que são ultra-mega carnívoras!! E ainda tenho que disputar espaço na geladeira e no congelador com os cadáveres =( Outra coisa que me incomoda muito é a questão de relacionamentos...já recebi preconceitos do tipo...ah vc é gente boa pena que tem essa frescura de não comer carne...resultado: estou encalhada faz mais de um ano =(
    Outra coisa que a Vitória disse...se eu chego em algum lugar acabo dizendo que to de regime ou que tenho alergia...pq se abrir a boca para falar que sou vegana acham frescura e falta do que fazer!! Dá vontade de virar o Cyclops do X-men e fuzilar todo mundo com o olhar! Faz 8 meses que sou vegana...procurei uma\ nutricionista e estou me alimentando 600% melhor quando era vegetariana! Eu sei que de contra ao mundo é FODA!! Mas foi escolha que eu fiz sem erros e que será para sempre! =) #GOVEGAN

    ResponderExcluir