quarta-feira, 12 de junho de 2013

Quer se Tornar Vegana(o)? 5 Dicas!


Então você está pensando: "essa coisa de ser vegan parece legal, talvez seja hora de dar uma chance".

Eu digo: parabéns! Você vai adorar o seu novo estilo de vida ético - porque o veganismo é um estilo de vida, não uma dieta. Ser vegano é um modo de vida que se estende muito além do que você come. Ser vegano é tentar o seu melhor para evitar participar de qualquer prática que cause sofrimento nos animais - é uma questão de respeito e compaixão pelos seres sencientes e pelo meio ambiente. Pelo menos é assim que eu vejo.

Quando me tornei vegana há pouco mais de 5 anos, eu aprendi tudo muito rápido, mas tem sido uma jornada. Eu ainda estou aprendendo a cada dia e estou tão longe de ser perfeita - de vez em quando tenho dúvidas e me permito errar. Eu valorizo ​​os pequenos deslizes, porque eles me ensinam e me ajudam a crescer. Ser vegana é uma das melhores decisões que já tomei e eu tenho certeza que serei vegana por toda a vida. Você ficaria surpreso com o quão pouco perde e o tanto que você ganha sendo vegano.

Aqui estão algumas das principais dicas para a transição ao veganismo:


1. Dê um passo de cada vez.

Embora eu já tenha ouvido muitas histórias de sucesso sobre pessoas que viraram veganas da noite pro dia e admiro muito elas, para mim, pessoalmente, foi uma transição gradual. Meu primeiro passo foi trocar o leite de vaca por leite de soja ou de aveia. E substituir os iogurtes de leite pelos iogurtes de soja (como os da linha Naturis da Batavo, por exemplo). Além disso tirei os ovos do cardápio. Quem é que adora ovo?? Na minha opinião, ovos são completamente dispensáveis e foi muito fácil ficar sem ovos. Acho que ninguém fala: "hmm... amo ovo, estou com desejo de comer ovo hoje". Talvez receitas de bolos sem ovos tenham que ser adaptadas, mas receita de bolo sem ovos é o que não falta na internet. O próximo passo foi comprar só chocolates sem leite. E é tão fácil, porque existe uma variedade de marcas com chocolates muito gostosos (Olvebra, Tri Gostoso, Cacau Show Sem Lactose, Harald Meio Amargo, Lindt 70% Cocoa etc). Em seguida eu substituí meus cosméticos pelos não testados e depois estava sendo quase 100% vegana. A questão mais difícil foi largar o queijo. Quando ia em pizzarias, pedia ao garçom pizza vegetariana sem mussarela (me certificando que a massa era sem ovos e leite) e levava um preparado de queijo vegetal para colocar em cima da massa hehe. Tem tanto Tofu Cream, Mandiokeijo, requeijão de soja e receitas de queijo vegetal por aí que a fissura por queijo fica bem controlada. A transição para o veganismo não é fácil, mas sair do papel de explorador nunca é fácil.


2. Não se culpe e lembre-se que você é vegano, mesmo se sair da linha.

Eu confesso: eu às vezes erro. Isso não quer dizer que eu peço queijo no sanduíche quando saio. Significa que eu compro produtos que, mais tarde, descubro que tinham por exemplo leite neles e não jogo fora (eu os consumo mas simplesmente não volto a comprá-los novamente). Eu também uso alguns produtos de beleza não-veganos que eventualmente recebo de brinde. Jogar os produtos fora me parece um desperdício. Isso não me faz menos vegana. Na minha opinião, o veganismo é o esforço, a escolha, a dedicação. Não é sobre uma pequena porcentagem de vezes que erramos que iremos estragar tudo.


3. Obtenha suporte pela internet e leia livros sobre veganismo/consciência animal.

A maioria dos meus conhecimentos veganos vem de blogs, fóruns do Orkut/Facebook e livros sobre veganismo e consciência animal. Blogs como o "Cantinho Vegetariano" tem receitas incríveis. Sites como o "Gato Negro" e "Guia Vegano" tem também dicas valiosas. O "Vista-se" é o maior portal de veganismo e certamente terá a resposta para quase todas as perguntas sobre veganismo. Tem a revista Vegetarianos que aborda muitos assuntos legais sobre saúde, nutrição e restaurantes por todo o Brasil. Os livros do nutrólogo Eric Slywitch são também muito explicativos. Eu não assisti todos os documentários ("Terráqueos", "A Carne É Fraca", vídeos de crueldade da Peta etc) - eles realmente me deixam muito, mas muito mal e eu já sei o que acontece, não acho que realmente precise ver mais eles. Assisti uns trechos de Terráqueos e todo o horror envolvido no tratamento dos animais foi o suficiente para eu pensar nele durante dias e noites. Eu sou grata por livros e filmes como esses, mas eu prefiro a abordagem "vamos fazer a nossa parte e viver uma vida sem crueldade com tofu defumado, frutas, hortaliças e chocolate sem lactose?" Mas saber o que realmente se passa em abatedouros e "ao ar livre" das fazendas é uma obrigação. Conheça os fatos.


4. Preste atenção na sua alimentação.

Esse é um ponto importantíssimo. Eu nunca me importava com a minha alimentação antes de virar vegana, mas de um tempo pra cá passei a estudar bastante sobre nutrição (fiz até umas matérias isoladas no Departamento de Nutrição por curiosidade) e sei exatamente quando não devo desleixar. Não deixo de tomar vitamina B12, apesar de ser facilmente encontrada em alimentos fortificados industrializados. Outros ajustes que eu fiz: eu não tomo café ou chá verde após o almoço ou jantar, pois a cafeína impede a absorção de ferro. Me obrigo a ingerir uma fonte de vitamina C através de suco de laranja, acerola ou mesmo tomates para melhorar a absorção de ferro. Eu sempre me certifico também de que há proteína em cada refeição - leite de soja, amêndoas e castanhas no café da manhã, pasta de grão de bico com tahine (hommus) no lanche, feijão, arroz e verduras, como brócolis e couve no almoço e assim por diante. Eu tento trocar macarrão, pão branco e arroz por integrais. Mas isso é opcional. Eu também adoro frutas e tento comê-las várias vezes ao dia. Outros alimentos que considero valiosos: quinua, linhaça, gergelim e tofu. Se possível, leia livros do nutrólogo Eric Slywitch: "Virei Vegetariano e Agora?" e "Alimentação Sem Carne".


5. Saiba responder os questionamentos que farão à você.

Muitas pessoas me perguntam com frequência se eu não tenho dó de alface, se não podemos dar uma vida de bem estar aos animais de abate - o famoso bem estar animal e o abate humanitário(?), que veganismo é radicalismo e qual é o problema dos ovos e laticínios. Saiba responder com convicção a essas e outras perguntas. As respostas para essas e outras perguntas podem ser facilmente encontradas no FAQ do Vista-se. Tenho um outro FAQ na aba do blog que aborda algumas dessas perguntas.


Então é isso - o início de sua nova vida vegana saudável! Como eu disse, eu estou longe de ser uma especialista, mas essas 5 dicas me ajudariam em minha jornada. Eu amo saber que as minhas ações estão de acordo com as minhas convicções - nada tem um gosto tão bom quanto saber que não está patrocinando a crueldade.

Se você tem mais dicas, sinta-se livre para compartilhá-las nos comentários!

6 comentários:

  1. Me identifico muito com você! Excelentes dicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Marta! :D
      Legal que pensa assim também!

      Excluir
  2. Adorei as dicas! É difícil, mas é por uma boa causa e com o tempo a gente se acostuma! bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Cibele!
      Depois da fase de adaptação fica muito mais fácil!
      Bjos

      Excluir