sábado, 12 de janeiro de 2013

Livro Magra e Poderosa (Skinny Bitch)



Quando comprei esse livro não fazia muita idéia do que se tratava, apesar de ter ouvido pessoas veganas falando bem, achava que era mais um livro bobinho "ensinando" como ficar magra como uma modelo, com mandamentos do tipo: "corte carboidratos", "tome água quando sentir fome" e blá blá blá. Resolvi dar uma chance ao livro, já que precisava de um empurrãozinho para começar a comer melhor. Nem todo vegano come bem. Isso é fato. Eu sou um deles, adoro batata frita, hamburger, como chocolate e leite condensado de soja da Olvebra quase todo dia. Sem falar nas bebidinhas alcoólicas... Por mais que muitas frutas e verduras façam parte da minha alimentação diária, as guloseimas tem espaço garantido. Depois era só malhar e correr uns 5 km e ficava por isso mesmo. E eu sei que isso não é saudável e precisava mudar.

Lendo esse livro, percebi logo de imediato, que as autoras, que são americanas, eram veganas e que cada parágrafo era um "bicudo na costela" de pessoas que comem carne, leite e ovos. A realidade da indústria de produção de carne é jogada na cara do leitor. A parte dos depoimentos dos funcionários dos abatedouro é um indutor de suicídio. É indignante. É como ler pedaços de Terráqueos. É pra ficar com vergonha do ser humano, mesmo. Fiquei pensando nas pessoas que compraram esse livro e se depararam com isso, qual não deve ser a reação. Infelizmente tem gente que não tá nem aí. E se as pessoas não se tornam veganas por compaixão pelos animais, pelo menos se conscientizem que a alimentação onívora é uma prática desnecessária, que prejudica a saúde humana, o meio ambiente e a sociedade.

Gostei de como elas não medem palavras. Expressões como "Se você acha que a dieta do Dr. Atkins irá te fazer emagrecer, é porque é uma total idiota." estão presentes no livro inteiro. A intenção do livro é dar uma sacudida mesmo, é tentar mostrar, com embasamento científico, que dietas da moda são inúteis, que a melhor forma de se manter em forma é comer comidas saudáveis. E livres de laticínios, carnes e ovos.


Outra realidade que nos faz assustar é como o governo não dá a mínima para substâncias tóxicas presentes nos alimentos, na quantidade de pesticidas toleráveis nas hortaliças (e logo, acumuladas no leite) e como órgãos de aprovação de alimentos (no caso o USDA) e toda a política envolvida, não se importam com a saúde das pessoas. Não é novidade, mas ainda assusta. A realidade das indústrias de produção de carne, leite e ovos tem motivos de sobra pra não divulgar o processo de produção e a obtenção de seus produtos da forma repugnante com que é feita. Esse capítulo é para abrir o olho do leitor quanto aos ingredientes e pesticidas que consumimos sem saber. É uma pena aqui no Brasil o preço dos orgânicos ser tão alto.

Eu até concordo que é possível ser saudável com certas dietas onívoras.  Mas não dá pra negar que uma dieta vegana saudável previne inúmeras doenças em comparação com as dietas onívoras.

Pra quem diz que esse livro cultua a magreza, é pq não leu a última página - que me fez valorizar mais ainda as autoras:

"Na verdade não damos a mínima para a magreza. Não se assuste nem se aborreça: você definitivamente vai emagrecer se adotar o estilo de vida Magra e Poderosa. Nossa esperança, porém, é que você se torne saudável. Não queremos que ninguém fique obcecada em emagrecer. Quando você se alimenta corretamente e se exercita, sente-se forte e saudável e confiante. Começa a gostar do próprio corpo - não porque emagrece - mas porque se sente bem.
A comparação é inimiga da alegria. Por mais que se esforcem, nem todas terão a aparência de supermodelos ou celebridades. E aceitar isso torna a vida muito melhor. E daí se existe apenas um padrão de beleza perpetuado por Hollywood e no qual você não se encaixa? Não entre nessa. Cuide muito bem do corpo com o qual você foi abençoada e ame-o, ame-o muito!"

Acho que o título do livro e a tradução para o português poderiam ter sido mais bem elaborados, mas pensando por outro lado, o nome é chamativo e o livro poderia não ter feito tanto sucesso que fez.

O livro exagera um pouco quando te manda retirar para sempre alimentos não saudáveis do cardápio. Não sei se tem como alguém seguir isso sem fugir um pouquinho. Pra ler esse livro, tem que ter bom senso, saber filtrar as partes interessantes e saber quando dosar a alimentação e se permitir sair da linha às vezes.

Confesso que depois de ler o livro mudei de idéia quanto aos meus hábitos alimentares e estou me esforçando ao máximo para manter os novos hábitos. Quando a fome bater, atacar frutas, castanhas, nozes, amêndoas e cereais integrais. Sucos naturais sempre que possível ao invés de sucos de caixinha ou refrigerante. Bebidas alcoólicas com moderação e frituras somente no domingo ou comemoração especial. E claro, exercício físico sempre. No final do livro tem dicas de marcas com opções veganas, dietas prontas e uma lista com os alimentos e ingredientes. Muito útil.

Posfácio do livro:

O homem não é um animal impressionante? Mata milhões e milhões de animais selvagens para proteger seus animais domésticos e sua alimentação. Isso, por sua vez, mata milhões e milhões de seres humanos, pois a ingestão de todos esses animais provoca problemas de saúde degenerativos e fatais, como doenças cardíacas, doenças renais e câncer. Aí o homem tortura e mata outros milhões de animais na tentativa de encontrar a cura dessas doenças. Milhões de seres humanos estão morrendo, no mundo inteiro, de fome e desnutrição, pois os alimentos que poderaim comer estão sendo usados para engordar animais domésticos. Enquanto isso, alguns morrem de rir com absurdos do homem, que mata com tanta facilidade e com tanta violência, e que, uma vez por ano, envia cartões em nome da "Paz na Terra".

Prefácio de Old MacDonald's.
Factory farm, de C. David Coates.

Um comentário: